OK GO faz clipe em plano sequência, em gravidade zero!
março 3, 2016
Pedro Vilhena (189 articles)
2 comments
Compartilhar

OK GO faz clipe em plano sequência, em gravidade zero!

Quem olha o histórico do blog pode achar que eu sou um grande fã do Ok GO. Não é uma grande banda independente, mas deve ser a que mais investe em produção de clipes pra web. E agora, se a Adele foi a primeira artista a filmar um clipe em IMAX, eles são o primeiro a fazê-lo em gravidade zero. Em plano sequência. Na Rússia…

Com apoio da S7 Airlines, principal cia aérea doméstica russa, alugaram um Ilyushin IL-76, avião de treinamento para astronautas da ROSCOSMOS (agência espacial russa), e se puseram a gravar usando uma pista governamental nos arredores de Moscou (imagina essa pré). Veja o resultado:

Como se sabe, o avião consegue simular gravidade zero ao cair de grande altitude. Depois de um tempo precisa arremeter antes de cair de novo, gerando um padrão de vôo em parábolas. Dentro do avião, a banda e as dançarinas (acrobatas contratadas) faziam a coreografia alternando os momentos de 27 segundos sem gravidade e 5 minutos com o dobro da gravidade – quando o avião estava subindo. Estas partes com peso foram elegantemente escondidas com a banda voltando aos seus assentos depois de cada mergulho, e em pós esses trechos foram acelerados. Apesar da malandragem, ninguém pode dizer que não é um plano sequência.

No fim o clipe todo levou 45 minutos e 8 mergulhos para ser gravado. Mas esse foi o take campeão; no total foram ~42 takes, ou 21 vôos (sem contar a semana de treinamento. Imaginem o custo de combustível). A cada vôo uma equipe de terra limpava e aspirava todo o avião.

Equipamento

A câmera foi uma Alexa XT com uma UltraPrime 14mm t1.9.  Eles só possuíam 3Kw de energia para todo o equipamento, então trabalharam com painéis de LED 1×1 e 8 Kinoflos 4×4. A grande estrela foi a grua, que segundo o DP Evgeniy Ermolenko deu trabalho pra ser estabilizada. Explica-se, obviamente a conta do peso vale pra tudo no avião, por isso o equipamento tinha que se comportar bem tanto sem peso (descida) quanto com o dobro do peso (subida).

Uma das coisas mais legais de tudo isso é perceber como se tornou normal investir muito dinheiro, tempo e energia numa produção 100% web. E dá retorno: o clipe já soma 50 milhões de views.

*Fonte: Newsshooter.com

Comentários

  1. […] das técnicas de emenda de takes utilizadas em Birdman, mas não só: da abertura de Spectre ao novo clipe do OK GO todo mundo tem feito uso da colagem por “morph cut”. Além disso neste filme Chivo […]
  2. […] Mas não só: Hollywood tem usado ferramentas similares para criar planos sequência a partir de takes diferentes. Com um operador de câmera bom, que garanta uma regularidade mínima em steadicam ou gimbal, é possível juntar o começo de um take com o fim de outro. Isso é util e gera uma economia substancial de tempo e dinheiro, seja em casos em que atores acertam no começo do take e erram no final, seja pra começar um plano sequência numa locação e terminar em outra, viabilizando algo muito mais rico. Esse é o caso de Birdman, Spectre (abertura) e O Regresso. Também é possível usar a técnica como ferramenta criativa, caso do clipe do OK Go. […]

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros. Seu endereço de email não será publicado. Os outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados com *