O novo Magic Lantern
outubro 10, 2012
Pedro Vilhena (189 articles)
0 Comentários
Compartilhar

O novo Magic Lantern

Muita gente já ouviu falar do Magic Lantern, firmware alternativo para câmeras Canon que está aí desde 2009. As versões passadas possuíam algumas instabilidades que afastavam os usuários  menos aventureiros. Isso mudou com a nova revisão do hack: lançada há um mês atrás, está pronta para uso profissional. É compatível com 5DII, t1i/500D, t2i/550D, t3i/600D, 50D e 60D, e logo será com a 5D3 e a 7D (após 3 anos, finalmente conseguiram hackeá-la).  Se você ainda não é adepto do firmware, conheça um pouco mais, instale já e ganhe uma nova câmera.

São tantas as funcionalidades liberadas pelo Magic Lantern que não dá para listar tudo. Chega a causar revolta, por deixar claro que a Canon aleija suas câmeras de propósito. Vou listar os recursos mais importantes:

Dados no LCD

O Magic Lantern faz uso inteligente da tela no modo vídeo, preenchendo os espaços inutilizados com medidores de áudio, distância de foco atual, zoom atual, temperatura de cor, obturador e íris, visíveis o tempo todo. Também há medidor da bateria em porcentagem, tempo de gravação remanescente…e sem deixar a câmera mais lenta. Vergonha total para a Canon.

Crop Marks no LCD

Para quem trabalha com TV ou experimenta com formatos anamórficos é muito bom ter marcações do frame SD ou 2.35 no LCD da câmera. Antigamente isso era feito com fita crepe. Alguns monitores externos aplicam essas marcas, mas nem sempre o tamanho é correto (como ocorre com a 5D, que muda o aspecto do sinal HDMI ao gravar). O Magic Lantern permite a aplicação  de qualquer marca no LCD da câmera – você pode até fazer uma no photoshop. E fica sempre na proporção correta, seja no LCD, em monitores, ou EVFs.

Display do Magic Lantern, com linhas de crop para SD.

Peaking e Magic Zoom

Talvez o mais útil sejam estas ferramentas de assistência de foco.  O Magic zoom amplia um quadrado da imagem (que você escolhe) para facilitar a operação de foco. É como a função de magnify da câmera; mas ao contrário dela, ele funciona durante a gravação. E você escolhe quanto quer magnificar, que botão utilizar, etc. Já o peaking é um recurso presente nos melhores monitores externos (Marshall, Ikan, SmallHD, etc), que colore e pisca as áreas em foco, facilitando visualização e controle. Talvez por analisar o sinal ainda na câmera, a implementação do Magic Lantern é surpreendentemente boa – superando a do meu monitor Marshall LCD50, por exemplo.

Zebra

Recurso presente em qualquer câmera profissional, a zebra é uma marcação que serve para evidenciar áreas superexpostas, de modo que não se jogue fora informação no take. Essencial para gravações ao ar livre. O firmware permite configurar o nível de alerta.

AGC Disable/Control

O famigerado ganho automático de áudio das câmeras passa a ser controlável de várias maneiras, em nível analógico e digital.

Peaking do Magic Lantern. Note os pontos coloridos no grampeador em primeiro plano.

Intervalômetro

Muita gente usa as DSLR para timelapses, e era ridículo ter que comprar um intervalômetro externo para isso (as Nikon sempre tiveram embutido, por exemplo). O Magic Lantern incorpora a função dentro da câmera, com várias opções de configuração.

White balance em Kelvin

Com o hack, todas as câmeras ganham o ajuste de branco numérico (em graus kelvin), que antes só existia na 7D, 5D e 1D.

Auto-restart da gravação após 12min.

Recurso altamente desejado nas DSLR, serve para retomar a gravação se ela for derrubada pelo limite de 12min atingido. A implementação ainda não é perfeita, pois há perda de uns 2s entre a parada e a retomada, mas ainda assim é precioso por eliminar o famoso “putz pensei que ainda estava gravando”.

Função Magic zoom. Note o quadrado no canto inferior esquerdo ampliando a lousa

Além destas, existem outras várias funcionalidades, como vídeo HDR, programação de mudança de foco (rack focus), etc. A instalação do Magic Lantern é extremamente tranquila: basicamente copiar o programa para um cartão CF e executar uma atualização de firmware. O programa então passará a estar presente sempre que aquele cartão for utilizado. O único preço que se paga para usar o ML é ter que aguardar 1s ao abrir a porta para remover o cartão de memória – do contrário é necessário recolocar a bateria para que a câmera volte a vida. Uma condição tranquila.

É importante esclarecer que o Magic Lantern roda simultaneamente ao firmware original da Canon, ou seja, você sempre tem a opção de usar a câmera exatamente como veio ao mundo. Mas pode confiar: depois de testar, dá pouca vontade de voltar ao modo padrão.

Baixe o Magic Lantern no site oficial. Lembre-se de ler todas as informações e o guia de instalação – apesar do software ser sólido, a responsabilidade pela modificação é de cada um.

Comentários

Nenhum Comentário Ainda! Seja o primeiro a comentar este post.

Escrever comentário

Seus dados estarão seguros. Seu endereço de email não será publicado. Os outros dados também não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados com *